Fórum Michael Jackson Brasil


 
InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Entrevista com a revista Ebony/Jet [1987]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
applehead7
Admin
avatar

Mensagens : 136
Data de inscrição : 09/07/2013
Idade : 18
Localização : Porto Alegre, RS

MensagemAssunto: Entrevista com a revista Ebony/Jet [1987]   12/14/2014, 18:29




[Ebony/Jet] Fazem quase quatro anos desde que você gravou para o novo álbum. Como se sente agora que o álbum está disponível? 

[Michael] Hm... eu me sinto rejuvenescido, tipo assim, porque afinal trabalhei muito tempo nele... é tanto trabalho. Muitas pessoas... elas estão acostumadas em apenas ver o resultado do trabalho. Eles nunca vêem toda a visão de trabalho que você passou para produzir esse resultado. E eu me sinto, você sabe, rejuvenescido e feliz. É uma alegria, ele nomeia o que é. É como uma celebração, é como: "Nós fizemos!"

[Ebony/Jet] Quanto tempo demorou para chegar a... eu acho que você escreveu quase oito ou sete músicas nele. Quanto tempo demorou para chegar a esse processo criativo?

[Michael] Não me lembro, não totalmente... eu nem conto as horas nem nada. Cada canção é diferente.

[Ebony/Jet] É.

[Michael] Às vezes acontece de forma rápida, às vezes acontece lentamente. Ninguém pode dizer qual é o processo criativo, porque não tenho nada a ver com isso, quase, porque é criado no espaço. É a obra de Deus, não minha.

[Ebony/Jet] Você sabe, falando sobre isso... Deus nos dá um monte de presentes, um monte de vezes e você foi realmente abençoado com uma quantidade enorme de presentes. E mesmo assim parece que muito está sendo exigido de você. Às vezes se arrepende de ser tão terrivelmente famoso?

[Michael] Não... as vezes. Apenas as vezes. Às vezes você sabe que eu quero entrar em lugares e não tem qualquer [...], e ele não funciona o tempo todo, porque as pessoas começam a fazer uma multidão ao redor, o que é doce, quero dizer, eu não deveria reclamar, mas...

[Ebony/Jet] Não, mas você tem o direito de reclamar. porque todo mundo tem o direito de ir lá e ficar sozinho. Mas parece que esse direito não é muito dado a você.

[Michael] Isso é parte do trabalho, eu diria.

[Ebony/Jet] Hm... como você se sente com a música "Bad"? Conversamos antes e eu lhe disse que gosto da música "Bad", porque realmente é tudo sobre você. Você é o pior quando se trata de indústria fonográfica. 

[Michael] Hm... bom... é bem diferente de qualquer coisa que eu já gravei, que eu já escrevi. Essa é uma afirmação ousada de dizer. Mas quero dizer [...] Por isso não leve muito a sério. Sim. Estou dizendo... é como se você estivesse dizendo que 'você é legal, você está bem, você é durão'. Não estou dizendo que sou criminalmente ruim. Claro que as pessoas vão levar assim. É uma afirmação ousada para fazer.

[Ebony/Jet] E sobre o vídeo? O vídeo é... outra coisa sobre esse álbum é que muitas das músicas fazem declarações sociais. E o vídeo faz isso também, com "Bad". Eu sei que você provavelmente nunca experimentou qualquer coisa assim, mas meu nome é Daryl, cresci no Harlem no sul do Bronx e eu fui para a escola e eu também tive que lidar com a pressão de alguns. Como você chegou sobre a ideia de fazer algo assim?

[Michael] Oh, não foi minha ideia. É na verdade parte de uma história verdadeira, onde o garoto tentou...

[Ebony/Jet] Essa é a minha história! 

[Michael] Sim, sua história. Mas a verdade sobre o que realmente aconteceu... esse garoto... (MJ fala algo para Frank)

[Ebony/Jet] Agora eu sei que você não escreveu o vídeo. Mas está me dizendo... a história é quase algo como a história da minha vida. Mas você me disse que era baseada em outra pessoa.

[Michael] Sim, é. Esse garoto que foi para a escola no norte do estado, do país, qualquer que seja, é do gueto e tentou fazer algo da vida dele e ele deixaria todos os seus amigos para trás e quando voltou de férias ou o que for, pausa da Ação de Graças, seus amigos se tornaram tão invejosos, tão invejosos dele, que o mataram. Mas no filme eu não morro obviamente. Portanto, era uma história verdadeira que foi... nós tínhamos retirado da revista "Time" ou "Newsweek". E ele é um garoto negro, como eu. E... é uma história triste. Mas nós...

[Ebony/Jet] Como...

[Michael] Perdão?

[Ebony/Jet] Como isso faz você se sentir quando você vê essas histórias tristes?

[Michael] Oh, algo assim é muito triste, porque é tudo negativo, é errado. Acho que é a vida, para querer crescer e se tornar mais e é como você plantar uma semente e crescer em algo belo e nunca morre mesmo. Acho que as pessoas deveriam ser assim. 

[Ebony/Jet] Você sabe que minha canção favorita no álbum é "Man In The Mirror".

[Michael] Oh, sim, eu gosto muito.

[Ebony/Jet] Essa é a minha canção favorita [...] Estou sentindo que não importa o que você faz no mundo, realmente tem que começar com você.

[Michael] É minha filosofia, também. "Se você quer fazer o mundo um lugar melhor, olhe para si mesmo, e depois faça uma mudança."

[Ebony/Jet] É difícil de fazer?

[Michael] Bem, as pessoas não olham para si honestamente. Eles não olham para si e apontam o dedo 'porque é sempre os outros caras' a culpa [ou alguém em cima?] Você deve mudar a si mesmo. Olhe para si mesmo. Faça o melhor de si mesmo.

[Ebony/Jet] Quando você olha para o espelho, está feliz com o que você vê?

[Michael] De que maneira?

[Ebony/Jet] Apenas quando está lá em termos de filosofia social.

[Michael] Hm... eu nunca estou totalmente satisfeito. Eu sempre queria que o mundo fosse um lugar melhor. Não, não, não. Espero que... você sabe, isso é o que eu faço com a minha música - trazer felicidade para as pessoas. E trazer alegria. Trazer um pouco de paz em suas vidas. 

[Ebony/Jet] Você é uma pessoa que reza? 

[Michael] Perdão?

[Ebony/Jet] Eu disse: Você é um tipo de pessoa que reza?

[Michael] Oh, sim sim. Rezo muito, sim. Eu vejo um belo pôr do Sol e digo: 'Deus, é lindo, muito obrigado'. Ou um sorriso de um bebê ou asas de uma borboleta ou qualquer coisa assim, você sabe.

[Ebony/Jet] Você sabe, na versão do álbum de "I Just Can't Stop Loving You" você faz algumas observações muito fortes e sensuais com uma mulher que você está deitando ao lado. 

[Michael] Eu estava na cama, quando eu estava fazendo isso também.

[Ebony/Jet] Sério?

[Michael] Sim. Estava deitado e tudo quando fiz esse rap inteiro. No escuro.

[Ebony/Jet] E as letras são: "Porque as pessoas realmente não me entendem".

[Michael] Não, eu digo: "Muitas pessoas não me entendem, é porque não me conhecem". Acho que isso é verdade. As pessoas acreditam em um monte de histórias malucas que leem, algumas são verdade, outras não, e...
 
[Ebony/Jet] Dói quando você vê essas histórias malucas?

[Michael] As vezes. Mas é parte do trabalho, você sabe.

[Ebony/Jet] Já quis xingar e dizer: "Ei, isso não é verdade"?

[Michael] Sim, várias vezes. Mas porque dar mais atenção para uma coisa dessas?

[Ebony/Jet] Aham. Existe outra música entre as minhas favoritas. Não é tanto como "Man In The Mirror", mas... "Liberian Girl". Existe uma garota liberiana na sua vida?

[Michael] Não. Eu a escrevi em minha casa, em um jogo, acho que estava jogando pinball ou algo e a canção apenas apareceu na minha cabeça. E... eu corri, coloquei na fita e tornou-se "Liberian Girl". Mesma coisa com (Michael canta) "We are the world, we are the children". Eu realmente não... quero dizer que não sei por que essas palavras vieram, elas só vieram como: "we are the ones to make brighter day, so let's start giving". Não pensei sobre isso... apenas... você sabe... apenas chegam.

[Ebony/Jet] Uma coisa que acho que é como você disse 'demorou tanto tempo para vir com todas as diferentes músicas no álbum e cada canção é diferente'. Você tem influências Calypso, tem influências de reggae, você tem 'new cool sound' com uma, você tem heavy metal com "Dirty Diana"...

[Michael] Amo "Dirty Diana".

[Ebony/Jet] É sua música favorita?

[Michael] Uma das minhas favoritas.

[Ebony/Jet] Por quê?

[Michael] Porque é uma história de uma groupie. Odeio dizer a palavra 'groupie' mas isso é o que é. E isso é algo que eu experimentei e muitas pessoas que crescem na estrada. Como eu. Não me lembro de não performar.

[Ebony/Jet] Você sente que já perdeu alguma coisa por não se lembrar de não performar?

[Michael] Claro. Mas eu ganhei muito, também. Muitas pessoas nunca saíram de sua cidade natal, começam a ver outros lugares maravilhosos. Muitas crianças leem sobre coisas e consigo ver em pessoa - em todo mundo - lugares diferentes. Então é isso... estou tão feliz com isso. Quero dizer... você nunca pode ter tudo.

[Ebony/Jet] Como se sente quando vai fazer um show em algum lugar e, literalmente, há dezenas de milhares de pessoas que estão correndo por você apenas para ter uma visão?

[Michael] É uma sensação maravilhosa. Especialmente quando os vejo sorrindo. Eu amo os fãs. Acho que é muito doce. Me sinto grato, é como me sinto. Realmente. Não levo nada disso como garantido. 

[Ebony/Jet] O que você diria - o que lhe interessa mais sobre a vida? 

[Michael] O que me interessa mais sobre a vida... é aprender. Descobrir coisas novas, explorar mundos diferentes. Estou muito interessado em anatomia humana agora, o cérebro e outras tantas coisas diferentes como essa, os ossos e tudo. 

[Ebony/Jet] Eu sei que... e você sabe, este é [...] mas você está muito interessado nos ossos do Homem Elefante, John Merrick.

[Michael] Sim.

[Ebony/Jet] É por causa de seu interesse anatômico?

[Michael] Sim, fui para a escola de Londres dos médicos duas vezes e visitei os restos mortais de John Merrick, com quem sinto uma proximidade. Amo a história do Homem Elefante, história muito triste.

[Ebony/Jet] Algum dia você gostaria de fazer um remake do filme ou do jogo?

[Michael] Hm... talvez. Talvez, mas sinto que já tem sido feito tão bem com David Lynch. E acho que foi John Hurt quem interpretou John Merrick. E eu não acho que posso contribuir melhor do que o que eles fizeram.

[Ebony/Jet] A parte que eu mais gosto é quando depois que ele ganha a confiança e, em seguida, ele está de volta em seu caminho depois de ter ido para a [...?] os roubam para fora do hospital e então ele está dentro de uma estação de metrô e então ele finalmente tem que gritar... 

[Michael] Oh, sim, sim. "Leve me alone" ("Deixe-me em paz")...

[Ebony/Jet] "Deixe-me em paz, eu não sou um animal"...

[Michael] "Sou um ser humano".

[Ebony/Jet] "... sou um ser humano". Será que nós, como seres humanos, tratamos as pessoas como animais muitas vezes?

[Michael] Acho que sim. Quero dizer, é isso que a guerra é.

[Ebony/Jet] Claro.

[Michael] [...?]

[Ebony/Jet] Está com medo da guerra?

[Michael] Acho que ninguém gosta de guerra, na verdade. Eu não gosto de guerra. Eu gosto de paz. Sou uma pessoa pacífica.

[Ebony/Jet] Nunca pensou em ser um embaixador ou algo assim? O fato é que você é aceito pelo mundo inteiro. Já pensou em ser algum tipo de embaixador?

[Michael] Sinto que estou com a minha música, o que eu fiz com a música, porque ela quebra todas as barreiras. Não tenho que fazer uma declaração política. Faço tudo isso com a música. Quebra todas as barreiras de linguagens e tudo, para todas as raças de pessoas. Vai em todo o mundo. E é engraçado ver as crianças da Índia ou de qualquer país, você sabe, quem sabe sobre a música.

[Ebony/Jet] Última pergunta, claro. Porque escolheu iniciar sua turnê mundial no Japão? E realmente não dará a chance de seus fãs aqui na América poder vê-lo até o final do ano?

[Michael] Bem, como você se lembra, a Victory Tour era toda americana. E o resto do mundo não conseguiu nada, então é bom ser justo, você sabe. E se me perguntar, acho que é mais justo porque o show vai ser muito melhor quando chegarmos aqui. A pior coisa para mim, pessoalmente, é ver um show de abertura, porque você sabe que não é tão arrumado como poderia ser. Era algo que meu gerente tem feito e as pessoas que trabalharam para mim. Onde quer que eles estejam - se eu gosto, eu vou. Gosto do Japão, já estive lá antes.

[Ebony/Jet] Alguma apreensão sobre a turnê solo pela primeira vez?

[Michael] Já fiz muitos trabalhos solo. Até mesmo quando era pequeno, treze - álbuns solo, aparições na TV solo. E é só outra estrada. Mas é claro que você sempre acha... sente as coisas... não vejo Marlon perto de mim... não sinto Jermaine, eu não... você sabe.

[Ebony/Jet] Claro. 

Fonte: MJTranslate l Tradução: Michael Jackson Brasil 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://mjjzone.com
 
Entrevista com a revista Ebony/Jet [1987]
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Michael na revista Ebony
» Qual música você ofereceria à Michael
» Revista OK! nº66/2010 [Sérvia] / Entrevista
» [NU'EST] Entrevista do NU'EST para a revista malaia "Epop"
» Entrevista: Michael dá entrevista as vésperas de sue aniversário de 50 anos

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Fórum Michael Jackson Brasil :: Debate :: BEHIND THE MASK-
Ir para: