Fórum Michael Jackson Brasil


 
InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Entrevista com Barbara Walters [1997]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
applehead7
Admin
avatar

Mensagens : 136
Data de inscrição : 09/07/2013
Idade : 18
Localização : Porto Alegre, RS

MensagemAssunto: Entrevista com Barbara Walters [1997]   12/12/2014, 18:30



Em entrevista com Barbara Walters, Michael fala sobre a princesa Diana e a perseguição dos paparazzis. A entrevista foi realizada alguns dias após a trágica morte de Diana.

[Barbara] Quando se trata de paparazzi, Michael Jackson diz que sente uma ligação com a princesa Diana. Os paparazzi têm sido uma parte de sua vida desde quando era uma criança pequena, o mais novo dos Jackson 5. Ele tem sido um superstar por 3 décadas. Aos 39 anos, ele continua a cantar e dançar em todo o mundo e os paparazzi o seguem em todo o mundo. Na noite em que a princesa Diana morreu, Michael Jackson cancelou o seu concerto, mas os seus dois últimos shows foram dedicados à ela. Ele não tem a pretensão de que ela era uma amiga próxima. Ela era uma fã.

[Michael] Eu a conheci em um... um... concerto em Londres. Ela foi muito gentil, muito carinhosa, muito doce.

[Barbara] O que vocês dois conversaram?

[Michael] Eu escrevi uma música chamada "Dirty Diana". Não se tratava de Lady Diana. Era sobre um certo tipo de garotas que pairam em torno de concertos ou clubes, você sabe, chamam-lhes de 'groupies'.

[Barbara] Groupies.

[Michael] Eu vivi com isso em toda a minha vida. Essas meninas... eles fazem tudo com a banda, sabe, tudo o que você poderia imaginar. Então eu escrevi uma canção chamada "Dirty Diana". Mas tirei do show em homenagem a sua alteza real. Ela me levou para longe e disse: "Você vai tocar Dirty Diana?" Então, eu disse: "Não, eu tirei do show por causa de você." Ela disse: "Não, eu quero que você faça isso... faça... faça a música."

[Barbara] Então ela tinha um senso de humor com você?

[Michael] Sim, é claro. E ela me disse que era uma honra me conhecer. E eu disse: "É uma honra conhecê-la."

[Barbara] Como você ficou sabendo de sua morte?

[Michael] Hum... eu acordei e meu médico me deu a notícia. Em volta caí em luto, e eu comecei a chorar. A dor... Eu senti a dor interior, no meu estômago e no meu peito. Então, eu disse: "Eu não posso lidar com isso... é demais." Apenas a mensagem e o fato de que eu a conhecia pessoalmente. Em seguida, em cima do que eu disse: "Não há outro... muito em breve... sinto que vai... há outro... é outro chegando e rezo que não é eu... por favor, não deixe que seja eu" E então veio a Madre Teresa...

[Barbara] Você é vidente... é o que está dizendo?

[Michael] Eu não quero dizer isso, mas eu já fiz isso antes.

[Barbara] E você pensou que poderia ser você?

[Michael] Sim. Eu tenho vivido esse tipo de vida toda a minha vida. A imprensa sensacionalista... esse tipo de imprensa... não a imprensa... os tabloides, o paparazzi, esse tipo. Fui correndo para a minha vida assim, se escondendo, fugindo. Você não pode ir por esse caminho porque eles estão lá... bem, vamos por aqui e fingir que vamos assim... e vamos assim. Alguém deveria dizer: "Espere! Pare! Essa pessoa merece a sua privacidade. Você não tem permissão para ir lá!" Eu vou ao redor do mundo, tratando de fugir e me esconder. Você não pode... não posso passear no parque... não posso ir na loja... você não pode... tenho que me esconder no quarto. Você sente como se estivesse na prisão.

[Barbara] Qual foi a coisa mais intrusiva? Qual é a pior?

[Michael] Eles sempre foram... eles vão tão longe a ponto de esconder as coisas nos lugares. Eles vão deslizar uma máquina sob o banheiro... Tch, tch, tch, tch... *Michael faz o som de uma câmera* e você vai, "Oh meu Deus!" Eles fizeram isso.

[Barbara] Quando você veio a este hotel, você tinha que entrar, ou você sentiu que tinha que entrar, através da cozinha.

[Michael] Eu venho fazendo isso há anos. Em muitos saguões, eu nunca vi a porta da frente. Nunca.

[Barbara] Já tentou vencer os paparazzi?

[Michael] Para vencê-los?

[Barbara] Sim.

[Michael] Eles seguem você. Perseguem-nos em vários daqueles Scooters "Vruuum, vrumm."

[Barbara] Cortando na frente de você?

[Michael] Sim. E eu tenho que dizer ao motorista... eu digo, "devagar". Eu entro e eu digo: "Você vai nos matar." Eu digo, "Devagar". Eu já fiz isso muitas vezes: "Você vai nos matar." Assim, ele salta para fora do carro e grita com essas pessoas.

[Barbara] Você sabe, não é um argumento que você depende de publicidade para vender seus álbuns... para os seus concertos, que você quiser.

[Michael] Quando eu aprovo algo, sim.

[Barbara] Mas você não pode sempre controlar a imprensa. Você não pode aprovar tudo. Você não pode convidá-los de novo e de novo, e em seguida, em um certo ponto, fechá-los para fora.

[Michael] Sim, você pode.

[Barbara] Bem, como você faz isso? O que é essa linha?

[Michael] Ao fazer isso. Este é o seu tempo para isso... e isso você não deve fazer. Você não deveria dizer: "Ele é um animal... ele é um..." Você não deveria dizer: "Ele é Jacko". Eu não sou um 'Jacko'. Sou um Jackson.

[Barbara] Como você se sente quando eles te chamam...

[Michael] Sim, Wacko Jacko, onde veio isso? Algum tabloide Inglês. Eu tenho um coração e eu tenho sentimentos. Eu sinto que quando você faz isso comigo... não é legal. Não faça isso. Eu não sou um "wacko" ("maluco").

[Barbara] Há aqueles que dizem que você adiciona à atenção.

[Michael] Não, eu não.

[Barbara] Bem, as máscaras... o comportamento misterioso.

[Michael] Não há, não há nenhum comportamento misterioso. Há um momento, quando eu faço um show... Eu gostaria de ter o maior número de pessoas que gostariam de pode vir e aproveitar o show. E há outro momento, quando você gosta de estar em casa... quando você coloca seus pijamas e vai dormir, desliga a luz e você se deita, esse é o seu espaço privado. Você vai para o parque. Eu não posso ir no parque, então eu criei o meu próprio parque em Neverland... o meu próprio espaço com água... meu cinema... o meu parque temático... isso é tudo para mim desfrutar.

[Barbara] Eu não quero que isso soe ofensivo. Eu só vou ser direta com você. Mas você está um pouco excêntrico para dizer o mínimo. A maneira de se vestir, a maneira como você olha, isso chama atenção. Toda a aparência como você cresceu... foi maior que a vida... mais extremo. Você não acha que atrai os paparazzi para você?

[Michael] Não. *balançando a cabeça* Não, talvez eu gosto de viver assim... Gosto de me vestir assim. Eu não quero os paparazzi, realmente. Mas se eles vierem, seja gentil, escreva o correto...

[Barbara] Michael, é o papel do jornalista... ou da imprensa em ser gentil?

[Michael] Em ser gentil?

[Barbara] Porque a imprensa também tem de olhar para as coisas, isso é difícil. Não pode ser sempre gentil.

[Michael] (risos) O que você viu... o que aconteceu com Lady Diana... você me diz. Deve haver alguns limites, de modo algum. A estrela precisa de espaço. Algum tempo para relaxar. Ele tem um coração... ele é humano.

[Barbara] Você cancelou o concerto que estava prestes a fazer quando soube da morte de Diana.

[Michael] Sim.

[Barbara] E quando você finalmente fez um concerto, dedicado a ela. O que você disse?

[Michael] No meu coração eu estava dizendo: "Eu te amo Diana. Brilhar. E brilhar para sempre, porque você é a verdadeira princesa do povo." E em palavras eu não disse isso, mas eu disse que durante três minutos em que mostrava uma imagem grande nas telas Jumbotron... Sony, telas enormes... e sua imagem estava lá brilhando... e a multidão enlouqueceu (faz efeitos de som de ruídos da multidão) e eu toque a música "Smile" e "Gone Too Soon".

[Barbara] Dê-nos algumas das letras, se você puder.

[Michael] "Brilhante e brilhante, e esplendidamente brilhante, aqui um dia, passou uma noite... Gone Too Soon..."

[Barbara] Você disse: "Eu cresci em um aquário. Eu não vou permitir que isso aconteça com o meu filho." No entanto, quando seu filho nasceu, você vendeu as fotos para o National Enquirer e para outros jornais europeus, tabloides. Por que você fez isso?

[Michael] Por quê?

[Barbara] Por quê?

[Michael] Porque houve uma corrida. Haviam algumas fotos ilegais fora. Imagens de forma ilegal, alguém tirou fotos de um bebê... milhões de dólares... disse: "Aqui está o filho de Michael."

[Barbara] E não era, pelo que me lembro.

[Michael] E não era. Então, eu tirei fotos do bebê. Eu disse: "Eles estão me forçando a tirar suas fotos". Há helicópteros voando acima de nós... voando sobre a minha casa... voando sobre o hospital, um, máquinas e satélites em todo lado. Até mesmo o hospital disse: "Michael, tivemos todo o tipo de celebridade aqui... mas nunca tivemos como este. Isso é inacreditável." E então eu disse: "Time" E eu dei o dinheiro para caridade.

[Barbara] Então, ao invés de... o que está dizendo é... o que você fez foi para tirá-los de suas costas.

[Michael] Sim... e agora eles querem fazer de novo... e não quero... talvez não quero mostrar para o mundo assim. Eu quero que ele tenha algum espaço... onde ele pode ir para a escola. Não quero ser chamado de "Wacko Jacko" ("Jacko Maluco") isso não é legal. Eles chamam um pai assim. Isso não é legal... certo?

[Barbara] Você disse que não quer que o seu filho seja chamado de "filho do Jacko maluco". Como você vai impedi-lo, para que eles não façam isso com ele?

[Michael] Essa é a coisa... essa é a ideia. Talvez você deveria arranjar um plano para me ajudar.

[Barbara] Você é o pai dele.

[Michael] Lá vai você. Eles criaram isso. Será que eles nunca pensaram que eu teria uma criança um dia... que eu tenho um coração? Está machucando meu coração.

[Barbara] Você gosta de ser pai?

[Michael] Eu amo!

[Barbara] Você está muito envolvido com ele?

[Michael] (risos) Sim!

[Barbara] Você quer mais filhos?

[Michael] Sim. (riso envergonhado)

[Barbara] Você tem sido o centro das atenções desde que era um bebê sozinho.

[Michael] Sim.

[Barbara] Se o seu filho mostra algum talento - aliás ele mostra algum talento em nove meses?

[Michael] Bem, eu vou te dizer uma coisa... quando ele está chorando, para para chorar, eu tenho que fazer uma coisa.

[Barbara] O que? 

[Michael] Eu tenho que ficar na frente dele... e dançar.

[Barbara] Sério?

[Michael] Sim. E ele para de chorar. Suas lágrimas se voltam para o riso, e ele está feliz. Ele sorri.

[Barbara] E você faz o 'Moonwalk' com ele?

[Michael] Sim. Eu faço todos os tipos de movimentos (imita sua dança) (risos)

[Barbara] E então ele para de chorar?

[Michael] Para de chorar.

[Barbara] Você tem que fazer um monte de dança.

[Michael] (risos) Eu faço um monte de dança, sim.

[Barbara] Michael, se esse menino diz: "Papai, eu quero ir no palco."

[Michael] (risos)

[Barbara] Depois do que você passou?

[Michael] Eu diria, "Espere, agora. Aguarde. Se vai fazer assim, esperava isso... esperava isso..." *conta com os dedos*

[Barbara] Você colocaria tudo para fora?

[Michael] Colocaria tudo para fora. Eu diria, "Veja, você vai conseguir tudo isso (aponta para uma das câmeras) e tudo isso (aponta para outra câmera) e todos deste (aponta para uma terceira câmera) está pronto para fazer isso?" "Sim, eu não posso esperar". Então eu diria, "Vá... e faça melhor do que eu fiz."

[Barbara] Mas saiba o que você está fazendo.

[Michael] Saiba o que você está fazendo.

Fonte: MJTranslate l Tradução: Michael Jackson Brasil 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://mjjzone.com
 
Entrevista com Barbara Walters [1997]
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [YT] Entrevista de Michael Jackson à Bárbara Wlaters - 1997 ( Legendado )
» Entrevista: Michael dá entrevista as vésperas de sue aniversário de 50 anos
» [YT] Entrevista,Michael Comenta sobre o album Bad (Legendado)
» Entrevista com Tiago Espírito Santo
» Forumeiros Entrevista: Fórum Contrabaixo BR

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Fórum Michael Jackson Brasil :: Debate :: BEHIND THE MASK-
Ir para: